Pages

Minha História

"Eu sou Ricardo Vinicius, tenho 28 anos, casado com a Dani. Em julho de 2011 me deparei com uma doença rara".

Descanse em Paz!

Família do meu Pai

Obrigado pelo Apoio e Carinho.

Ricardo e Sergio - Os dois tem Adrenoleucodistrofia

Sergio não sente nada, mas os Adrenais estão sem funcionar. Ricardo está com problemas motores.

8 de março de 2016

"...e assim se passaram 'três' anos..."

"sem eu ver seu rosto.
sem olhar seus olhos..."
Dani e Ricardinho na formatura de Júnior

Essa música muito antiga, composta por Emilinha Borba, e (re)gravada com sucesso por Gal Costa há muitos anos, descreve um pouco do que sentimos hoje..

Nossos dias 8 de cada mês nos remetem a lembranças mil.

Nossos dias 8 de março nos leva a um pedaço do nosso universo onde, além das lembranças mais que vivas em nossas memórias, somos revestidos numa saudade que dói...

Entretanto, hoje, especificamente, não estamos sangrando em dores. Estamos sim, sentindo a alma abraçada numa saudade morna, macia, perfumada... 

As lágrimas até vem... Mas elas deságuam em nossos olhos vindas de corações cheios de gratidão!

Agradecer a Deus pelo presente de ter convivido com Ricardinho tem sido hábito aprendido a duras penas, a grandes dores.

Mas como é ruim sentir dor o tempo todo!!!
Lourdinha, Rica e Bastinho no casamento civil de Rica e Dani

Talvez por isso nosso instinto de sobrevivência, de grande tentativa de boa sobrevida sem ele aqui, talvez isso tudo faça prevalecer uma grande tentativa de bem-viver.

Temos vivido dias bem difíceis, com novas e grandes jornadas! E como temos lições de Rica!

Como as experiências de  tempos atrás tem nos guiado nesses caminhos d'agora...

Como o legado que esse menino nos deixou tem nos norteado vida afora...

Agora deixe-me falar direto a você, filhote: há ocasiões em que vejo sua luz a nos guiar em dias cinzentos. Há situações em que basta fechar o olho e sinto suas asas de anjo a fazer cócegas na alma. E como provar que, se eu me concentrar, ouço sua gargalhada e sinto seu abraço apertado, aconchegado, caloroso?...

Eu lhe imagino agora, sorrindo largamente e ouço você: "essa minha tia só pode ser doidinha!" kkk... Em tempo, vc e Serginho nunca me chamaram de tia! E ainda sofro por isso! kkk. 

Ah, já ia esquecendo. Sou Suzana, tia Suzana, que já deixou registrado aqui nesse blog, muito do que foi experenciado no processo de luta de Ricardinho. Então o que escrevo aqui é muito do que todos sentimos, mas é tudo muito particular do meu sentir. Dani, Bastinho e Lourdinha sempre me confiaram, sem restrições, esses registros. Eu me sinto honrada por tamanha confiança. E agradeço muito por isso.

Escrever sobre o terceiro ano longe do nosso menino não é tarefa muito fácil. Mas deixo o coração ditar o que está aqui. 

E, embora um pedaço do coração de cada um de nós esteja com Rica, ainda sobra muito pra viver aqui, enquanto nos for permitido. 

Ainda vamos rir muito, chorar bastante, nos emocionar atééééé!!!... sempre que pensarmos em Ricardinho.

Afinal, como diz minha irmã Suerda: "Tem gente cujo coração é como se batesse dentro da gente. Eis um exemplo dessa 'éspécie'": Ricardo Vinícius Linhares Medeiros de Sá! Ou simplesmente Ricardinho, Zangado, Poroquinha, Rica, Guáxi, Ricardo de Dani, Cara de Fuínha...

Ou, mais simplesmente ainda, nosso anjo particular que mora no céu, ao lado do Pai. E que deve fazer muitas presepadas na sua morada definitiva. E que viveu tão intensamente aqui entre nós!
Ricardo e Sergio em Gramado/ RS

Beijo de luz pra você, Rica!

E todo nosso desmedido, imensurável amor.

Eterno.

Incondicional.

Amor na potência máxima!