Pages

Minha História

"Eu sou Ricardo Vinicius, tenho 28 anos, casado com a Dani. Em julho de 2011 me deparei com uma doença rara".

Descanse em Paz!

Família do meu Pai

Obrigado pelo Apoio e Carinho.

Ricardo e Sergio - Os dois tem Adrenoleucodistrofia

Sergio não sente nada, mas os Adrenais estão sem funcionar. Ricardo está com problemas motores.

9 de março de 2014

1 ano de enorme SAUDADE

Oi Mozão...

Ontem acordei com o estômago embrulhado, sentia vontade de vomitar e dor de barriga ao mesmo tempo, um mal-estar tremendo... Uma angústia, um aperto no peito... Me senti como há um ano atrás, quando você partiu.

Ontem foi um dia difícil... mas ao final se tornou mais leve com encontro de lágrimas, sorrisos, músicas, como você bem conhece... Um momento de encontro dos Linhares medeiros... Estávamos celebrando mais um ano de vida de dona Lourdinha... Acredito que você nos visitou em ambos momentos...


A saudade continua gigante... as crises existenciais ainda existem... mas sei que tudo nessa vida não acontece por acaso e Deus sempre faz o melhor por nós...

Hoje queria agradecer por me deixar fazer parte da sua vida... pelos momentos maravilhosos que tivemos... pelo sorrisos que você arrancava de mim todos os dias... pelos carinhos e compreensão... pela gentileza... pela leveza que tudo se tornava com você por perto... pelo seu amor... pelo brilho que você dava a minha vida... pelos nossos sonhos... pela nova família... pelos muitos ensinamentos deixados... 



Amo muitão você Mozão!!!



Não consegui escrever nada para ler na missa dessa vez... Travou tudo... O texto a seguir foi elaborado por Camilla, minha prima, que foi lido por ela na missa.


Quando a morte vem ceifar em nossas vidas de forma tão prematura aqueles que nos são caros ao coração nos perguntamos, imersos à lágrimas, lamentações e tristezas: Por que a brusca separação? Como poderemos viver, conviver com essa dor imensa? Com a saudade que nunca tem fim? Será que é o fim? Que tudo acabou?

Não! É inconcebível pensar que aqueles a quem tanto amamos deixou de existir... Que nunca mais iremos encontrá-lo... Que aquele que sempre foi alegria, sorriso, amor, deixar de ser.
Pois é! Assim é o nosso querido Ricardo. Se pudéssemos defini-lo em uma palavra, essa seria FELICIDADE! Felicidade que transbordava em gestos, no olhar, no sorriso que fazia sorri a sua família, amigos e o seu amor: Dani.

E, com essa certeza de que ainda é assim, de que ele ainda está conosco em todos os momentos e nas mais doces lembranças que cito as seguintes palavras de Emmanuel, trazidas a nós pelas mãos de Chico Xavier:
“Para aquele que buscou viver com ética e amor, a morte é apenas o fim de um ciclo. A volta para casa. Com a consciência pacificada, o coração em festa, o homem de bem fecha os olhos do corpo físico e abre as janelas da alma. Do outro lado da vida, a multidão de seres amados o aguarda. Pais, irmãos, filhos ou avós - não importa. Os parentes e amigos que morreram antes estarão lá, para abraços calorosos, beijos de saudade, sorrisos de reencontro. Nesse dia, as lágrimas podem regar o solo dos túmulos e até respingar nas flores, mas haverá felicidade para o que se foi em paz. Ele vai descobrir um mundo novo, há muito esquecido. Descobrirá que é amado e experimentará um amor poderoso e contagiante: o amor de Deus. Depois daquele momento em que os olhos se fecharam no corpo material, uma voz ecoará na alma que acaba de deixar a Terra. E dirá, suave: Vem, sê bem-vindo de volta à tua casa”.

Ricardo voltou pra casa! E nós ainda estamos vivendo a nossa viagem, crescendo com nossas experiências. E chegará o dia que nós retornaremos para a nossa verdadeira morada, onde todos estarão unidos pelo sentimento de irmandade e amor.

E ele estará lá, aquele a quem tanto amamos... Ele estará lá para nos receber de volta, com a mesma festa, a mesma alegria. Só que agora a felicidade será maior pela certeza de que os laços são eternos, que a saudade um dia cessará, pois logo mais estaremos juntos outra vez!



Música: Velhas Canções - Canto de Paz

Além do véu
Da nova vida
Marcham os humanos
Vão-se os que amamos

Além do corpo inerte
Vive uma chama
Aurora da verdade
Real continuidade

O sopro não se extinguirá
Em desenlace de amargura
A brisa, firme, seguirá
Ascendendo às alturas

E o coração que vibra e pulsa
Não se rende ao silêncio
Segue adiante, agora livre 
Pelo universo, amor imenso

Além do medo
Vão-se todos, sem cessar
Rumo ao infinito
No retorno para o lar

Além do silêncio
Segue a voz da emoção
Não há laço esquecido
No tempo do coração

Pode uma lágrima cair
Mas sem desespero, sem dor
Pois a distância um dia passa
E a espera é nada para o amor
    
Verte o sabre do sepulcro 
Sangrando uma falsa solidão
Nasce o consolo na criatura
Ao ver que é eterna a criação

Refrão:
E a saudade vem lembrar velhas canções
Que embalaram os versos, em poemas de união
Agora sem dor, sem dizer adeus
Pois, logo mais, haverá tudo outra vez



5 de março de 2014

Convite da Missa de 1 ano de Ricardo Vinicius


Um ano se passou e parece que foi ontem... Como o tempo é relativo... Sentimos muito sua falta Mozão...